Quantas vezes por semana lê um artigo sobre cibersegurança e pirataria informática?


2::São peritos informáticos bem-intencionados.
2::São criminosos informáticos mal-intencionados.
3::Os piratas informáticos podem ser peritos informáticos bem-intencionados ou criminosos informáticos mal-intencionados.

Esta resposta é correta, mas apenas parcialmente, uma vez que os piratas informáticos também podem ser mal-intencionados. De facto, os piratas informáticos são pessoas com elevadas qualificações técnicas e com elevado nível de conhecimentos, capazes de obter acesso não autorizado a sistemas protegidos e recursos. No entanto, o termo pode ter significados diferentes consoante o contexto em que é utilizado. A distinção mais comum observa-se entre «white hat hackers» (piratas informáticos não maliciosos) e «black hat hackers» (piratas informáticos maliciosos) ou entre as expressões «hacking for good» (pirataria informática para o bem) (por exemplo, avaliar e testar a segurança) e «hacking for bad» (pirataria informática para o mal) (por exemplo, para atividades criminosas). Normalmente, os piratas informáticos são referidos como «crackers» (piratas informáticos mal-intencionados). Está disponível um artigo no relatório da ENISA (Agência da União Europeia para a Segurança das Redes e da Informação): https://www.enisa.europa.eu/activities/stakeholder-relations/nis-brokerage-1/brokerage-model-for-network-and-information-security-in-education.

 

Esta resposta é correta, mas apenas parcialmente, uma vez que os piratas informáticos também podem ser bem-intencionados. De facto, os piratas informáticos são pessoas com elevadas qualificações técnicas e com elevado nível de conhecimentos, capazes de obter acesso não autorizado a sistemas protegidos e recursos. No entanto, o termo pode ter significados diferentes consoante o contexto em que é utilizado. A distinção mais comum observa-se entre «white hat hackers» (piratas informáticos não maliciosos) e «black hat hackers» (piratas informáticos maliciosos) ou entre as expressões «hacking for good» (pirataria informática para o bem) (por exemplo, avaliar e testar a segurança) e «hacking for bad» (pirataria informática para o mal) (por exemplo, para atividades criminosas). Normalmente, os piratas informáticos são referidos como «crackers» (piratas informáticos mal-intencionados). Está disponível um artigo no relatório da ENISA (Agência da União Europeia para a Segurança das Redes e da Informação): https://www.enisa.europa.eu/activities/stakeholder-relations/nis-brokerage-1/brokerage-model-for-network-and-information-security-in-education.

 

Esta resposta é correta, uma vez que os piratas informáticos podem ser bem e mal-intencionados. De facto, os piratas informáticos são pessoas com elevadas qualificações técnicas e com elevado nível de conhecimentos, capazes de obter acesso não autorizado a sistemas protegidos e recursos. No entanto, o termo pode ter significados diferentes consoante o contexto em que é utilizado. A distinção mais comum observa-se entre «white hat hackers» (piratas informáticos não maliciosos) e «black hat hackers» (piratas informáticos maliciosos) ou entre as expressões «hacking for good» (pirataria informática para o bem) (por exemplo, avaliar e testar a segurança) e «hacking for bad» (pirataria informática para o mal) (por exemplo, para atividades criminosas). Normalmente, os piratas informáticos são referidos como «crackers» (piratas informáticos mal-intencionados). Está disponível um artigo no relatório da ENISA (Agência da União Europeia para a Segurança das Redes e da Informação): https://www.enisa.europa.eu/activities/stakeholder-relations/nis-brokerage-1/brokerage-model-for-network-and-information-security-in-education

 


Embora sejam dois termos da gíria informática e eletrónica em voga, são também de extrema importância na nossa vida diária, no trabalho ou nos tempos livres.

 

De um modo geral, quem são os piratas informáticos?